quarta-feira, dezembro 21, 2005

Meu Caro Filipe,

Obrigado por teres ousado.
Obrigado pela tua convicção.
Obrigado por não teres transigido.

Sobretudo, obrigado por teres acreditado e por me fazeres acreditar.

Obrigado a todos os que contigo – connosco - sonharam uma outra JP.

Todos estão de Parabéns, porque quem defende ideias presta sempre um serviço à JP.

terça-feira, dezembro 20, 2005

EM NOME DO FUTURO

EM NOME DA LIBERDADE, fomos a Bragança propor um novo rumo para a JP.

EM NOME DA LIBERDADE, ousámos discordar, apontámos um novo caminho, construímos um novo projecto. EM NOME DA LIBERDADE, assumimo-lo até ao fim. EM NOME DA LIBERDADE, exaltámos a inovação das ideias, a nobreza dos ideais, a força do espírito. EM NOME DA LIBERDADE, procurámos uma nova resposta para os problemas de sempre. EM NOME DESSA LIBERDADE, "a liberdade que nos aconchega a alma", assumimos, pois, os resultados.

Perdemos, é certo, mas não fomos vencidos. Jamais o seríamos.

Só é vencido quem desiste de lutar. Só é vencido quem deixa de acreditar no futuro. Hoje, como ontem, a força que nos move é a certeza de que o futuro está ao nosso alcance. Desistir é para os fracos e nós não somos fracos. Desistir é para quem encara o passado como amarras e as nossas amarras são o futuro. Desistir é para quem se deixa ultrapassar e nós estamos - estivemos sempre! - um passo à frente.

EM NOME DA LIBERDADE, quisemos FAZER A DIFERENÇA. E fizemos. Fiéis aos nossos princípios - apelámos ao voto secreto -, fiéis ao projecto que nos une - elevámos o discurso -, fiéis à nossa liberdade - ousámos ser livres! No dia seguinte, continuamos aqui. No dia seguinte, continuamos livres, com a mesma convicção de sempre. Na primeira fila, sempre na primeira fila, das ideias, na primeira fila dos ideais, das convicções e dos valores, na primeira fila da liberdade, na primeira fila do futuro.

Ao Filipe, obrigado pela coragem. A todos os outros, pela ousadia, pela disponibilidade, pelo empenho, pelo espírito de união, pela nobreza do discurso, pela confiança na liberdade. O futuro começa hoje. Saibamos honrá-lo.


Raúl Relvas Moreira

segunda-feira, dezembro 19, 2005

O futuro começa agora!

Começa hoje um novo projecto, uma nova visão de JP, que apesar de ainda não ser maioritária em votos, num Congresso que foi dominado pela típica maquina partidária, projecta uma JP de pensadores livres, de pessoas descomprometidas, de querer um futuro mais ambicioso, de achar que o nosso campeonato é o da qualidade, e sempre pela qualidade.

Não nos consideramos vencidos, mas cada vez mais, convencidos que há uma maioria silenciosa, uma maioria que não está entranhada na maquina e que dela não precisa. Acreditamos, hoje, amanha e sempre que no futuro seremos cada vez melhores e que em liberdade, todos escolheremos em liberdade, sem braços no ar, mas na urna secretamente, em consciência, as orientações politicas as ideias e os projectos que melhor servem uma juventude diferente.

Seremos responsáveis, estaremos atentos, fiscalizaremos e faremos com que os projectos sejam cumpridos, estivemos na primeira fila a aplaudir os vencedores, continuaremos na primeira fila, na primeira fila das ideias, na primeira fila do trabalho, na primeira fila do futuro.

“Ah, que ninguém me dê piedosas intenções! Ninguém me peça definições! Ninguém me diga: "vem por aqui"! A minha vida é um vendaval que se soltou. É uma onda que se alevantou. É um átomo a mais que se animou... Não sei por onde vou, Não sei para onde vou - Sei que não vou por aí!”
José Régio

Apesar de tudo, ganhámos!

Fomos a Bragança defender princípios, valores e convicções! Apesar de tudo, apesar das traições e facadas que levámos, fomos integros e lutámos até ao fim. Ninguém nos ouviu criticar sem sentido, falar sem fundamento ou atacar por atacar. Mostrámos à JP o que deve ser uma organização política de Juventude, que valores e convicções deve defender.
Custa-me ter visto algumas coisas, é doloroso ver que quem luta por valores seja marinalizado pela mera troca de lugares. Mas até aí fomos íntegros!
Estamos na política por valores e não por interesse. Por isso, nunca nos conseguirão derrotar!
O Filipe simboliza a JP que quero, que acredito e onde me revejo, por isso não tenho qualquer problema em afirmar a plenos pulmões que ele é o meu presidente!
Daqui a 2 anos, certamente que a história será diferente, e aí vamos com toda a certeza FAZER A DIFERENÇA!
Muito obrigado a todos pelo apoio que nos deram e pela força que nos transmitiram!!

Ideias e Convicções acima de tudo!

A moção de estratégia global subscrita pela CPD de Aveiro, Mesa do Congresso Distrital de Aveiro e Mesa do Plenário Distrital de Aveiro não conseguiu impor-se no Congresso Nacional com a pior organização de sempre da JP, realizado em Bragança.

Contudo, as nossasideias e as nossas convicções não sofreram qualquer crítica. Nem tão pouco uma menção menos elogiosa. Antes pelo contrário. Muitas foram as vozes que diziam em tom baixo e discreto - não fossem as paredes ouvi-los - "a vossa moção é a melhor" ou "a moção do Diogo é sem duvida a melhor redigida" ou mesmo "é a única com ideias concretas". E estas vozes surgiam de apoiantes declarados de outras moções, pelo que são opiniões não enviezadas e insuspeitas.

Não obstante, as nossas ideias não conseguiram impor-se aos canticos e aos discursos vazios mas inflamados. O que me deixa por um lado triste, mas por outro com uma sensação muito agradável de dever cumprido, com distinção. Deixa me triste porque apesar do espírito do regulamento do congresso ser o de se votar em ideias e projectos para a JP, as melhores ideias e o melhor projecto apesar de não sofrido críticas algumas, não vingou. Não teve apoio suficiente nas alturas decisivas.

Custa-me ver que NA NOSSA JP se troca IDEIAS por LUGARES. E isto não é mais senão uma copia do que se passa nas outras juventudes partidárias e algo que tanto combatemos. Venceu o vazio de ideias, mas que oferecia lugares a quem conviesse. Perderam as ideias, os valores e as convicções, porque convicções não se sujeitam a estes jogos, porque os valores não permitem estas atitudes. Assim, a NOSSA JP vai mal. Continua mal. Representar a JP é uma honra, mas ser representado por este tipo de pessoas, causa alguma vergonha.

Mas nós em Aveiro defenderemos os valores por que nos batemos ontem, hoje e sempre! Desejo obviamente as maiores felicidades a esta nova CPN na condução da NOSSA JP. Todavia, o capital de confiança que tenho nessa mesma CPN leva-me a crer que pouco ou nada do estava mal irá mudar. Antes pelo contrário, o cenário indica que o futuro não será dos mais brilhantes...

Uma palavra aqui de enorme respeito e admiração pela coragem do Filipe Almeida Santos, por ter avançado, por nunca ter recuado, por defender ideias, por ter uma elevação intelectual notável. Honrou e muito o apoio que recebeu e recebe de Aveiro!

Para terminar, queria apenas realçar que esta é a primeira CPN da JP em muitos muitos anos sem nenhum representante do distrito de Aveiro. Isto para além de sintomático é ofensivo à capital da democracia-cristã em Portugal. Mas também não deixa de ser verdade que esta direcção nacional dificilmente conseguiria algum representante de Aveiro para incluir nos seus quadros. Nós temos convicções e ideias que não estão e jamais estarão à venda!

Não vencemos, mas mantivemos a nossa honra, os nossos valores. Saímos de cabeça bem erguida.

VIVA AVEIRO!
VIVA PORTUGAL!

Bragança, 2005

Agradeço a todos os que se mobilizaram, a todos os que responderam à chamada.

Sinto a consciêncioa tranquila porque sei que manifestei o que sentia e procurei, sempre, ser fiel aos meus princípios.

Àqueles que acreditaram, a todos os que confiaram, o meu agradecimento sincero.

Aos titulares dos órgãos eleitos, votos de um trabalho profícuo.

Somos todos JP.

sexta-feira, dezembro 16, 2005

Agora, Todos a Bragança!

Faço votos para que todos os Congressistas possam chegar a Bragança em segurança. Só a mobilização de todos os Congressistas, permitirá que a Juventude Popular se pronuncie, com representatividade, sobre o que pensa e o que pretende para os próximos dois anos.

Sinto que fiz o que devia, sei que não é fácil, mas acredito que a JP pode iniciar um Novo Ciclo para Fazer a Diferença. Um ciclo de afirmação e de trabalho.

Vamos a isto!

quarta-feira, dezembro 14, 2005

Debate de Moções

Vi, ontem no debate entre os subscritores das 4 moções a apresentar em congresso, aquilo que quero e o que não quero para a Juventude Popular. Claramente...
De um lado, uma liderança desgastada por, pelo menos, mais 2 anos do que aquilo que seria de esperar, que por esse motivo padece de vícios com os quais não me identifico e sempre procurei lutar contra eles, que não prima pela simples discussão de ideias mas procura, através de outros, desviar a discussão para patamares que não interessam a ninguém, que apenas descredibilizam a política e contribuem para afastar jovens da JP. E isso eu não quero.
Do outro lado, vi a JP com a qual me identifico, uma JP com elevação no debate, que quer agarrar determinadas bandeiras que interessam aos jovens, uma JP de causas e de valores, independente do partido e dinâmica, com novas pessoas para uma renovação que precisamos notóriamente.
Confesso que eu já estava decidido em quem votar e apoiar, mas ontem ainda reforcei mais a minha convicção, e vi gente no caldas que estava decidido a votar numa das moções e ontem se inclinou, definitivamente, pela moção "Fazer a Diferença". Agora é preciso que não desmobilizemos porque a nossa vitória está próxima... Sabemos nós e sabem eles!!

A Nova Jota Começa Agora...Contigo!

Aproxima-se o dia do congresso e é importante que os congressistas reflictam sobre aquilo que querem deste conclave da JP. Exige-se um debate elevado, rico e esclarecedor, porque o mais importante e o primeiro resultado deste congresso tem de ser o facto de a JP ser "unida na divergêngia". Aí sim saberemos que estamos a ser cada vez melhores...
Este é o meu voto para um congresso que quero dinâmico, combativo...porque sei que se assim for, vamos todos sair de lá mais fortes!

A Nova Jota vai começar Agora...Contigo!

P.S. Boa viagem para Bragança e cuidado com o gelo.

domingo, dezembro 11, 2005

VAMOS DEBATER: Terça-feira, 21 horas, sede nacional

Agradeço às Comissões Políticas Distrital e Concelhia de Lisboa da Juventude Popular a organização do debate entre os primeiros subscritores das quatro Moções Globais que se apresentam ao XV Congresso da Juventude Popular.

Acredito que o debate de ideias fortalecerá a JP e permitirá clarificar as diferentes perspectivas sobre o caminho que a Juventude Popular deverá percorrer nos próximos 2 anos.

domingo, dezembro 04, 2005

Camarate - 25 anos de Vergonha

Celebra-se hoje mais um trágico aniversário do atentado de Camarate, que vitimou, entre outros, o então Primeiro-ministro, Francisco Sá Carneiro e o Ministro da Defesa, Adelino Amaro da Costa. 25 anos depois muito pouco se sabe oficialmente acerca deste trágico acontecimento.
Pergunto se não é, de uma vez por todas, altura de se apurar a verdade. Porque o povo assim o exige, o povo que paga a justiça e que a quer célere e eficaz. Este processo arrasta-se vergonhosamente à anos de mais, o que de todo não se aceita.
Camarate, além do atentado que tenho 1.0000000000% de certeza que se verificou, é também um atentado a Portugal, à democracia, e ao nosso sistema de justiça. Que de uma vez por todas tem de ser bem resolvido, mais do que não seja para que os 7 inocentes que nesse dia lá perderam a vida possam enfim descansar em paz.
Foram assassinados, a 4 de Dezembro de 1980 em Camarate:
  • Francisco Sá Carneiro
  • Adelino Amaro da Costa
  • Snu Abecassis
  • Manuela Amaro da Costa
  • António Patrício Gouveia
  • Jorge Albuquerque
  • Alfredo de Sousa.

Por vós, não podemos falar apenas em Camarate ao dia 4 de Dezembro de cada ano que passa, devemos falar em Camarate todos os dias até que se apure a verdade!